Mãe é Quem Cuida, Quem Materna- Por Gilmara Lupion

Mãe é Quem Cuida, Quem Materna- Por Gilmara Lupion 



Ora, gestar é diferente de maternar, quem gera é genitora que poderá aprender a ser mãe, a se vincular, a amar o seu filho ou não. As mulheres não nascem mães




O Dia das Mães é comemorado desde 1914, sua história está relacionada à figura de Anna Jarvis, uma jovem americana, que com o falecimento de sua mãe, fez uma campanha, inicialmente no núcleo de uma Igreja Metodista, para mostrar às crianças e jovens o quão importante é a figura da mãe. Uma data criada para lembrar, homenagear, as mães.

Entretanto, as famílias contemporâneas são compostas de diferentes formas, por uma mãe e um pai, por pai solo, mãe solo, por madrastas ou padrastos, por famílias alargadas, por avós e avôs, por tios e tias, por irmão e irmã, por famílias reconstituídas, reagrupadas, adotivas e de acolhimento. Portanto, a função materna é exercida pela mãe biológica, aquela que gerou e simultaneamente aprendeu a maternar, cuidar, acolher, proteger, amar o seu bebê; pela mãe adotiva que não gerou, mas aprendeu a maternar o filho gerado por outrem; pela avó, pela tia, pela irmã, pelo pai. 
Em respeito a essa diversidade familiar algumas escolas tem substituído as tradicionais comemorações do Dia das mães e dos pais, pelo "Dia da Família", "Dia de quem cuida de mim", "Dia de quem acolhe", valorizando as histórias de vida de seus alunos, homenageando as pessoas que de fato exercem as funções materna e paterna. Dia de quem cuida, se preocupa, dá afeto, diz não quando é preciso, alimenta, coloca para dormir, ajuda com a tarefa escolar, acompanha ao médico... Dia de quem exerce a função materna! 
Outras escolas tradicionalmente mantém em seu calendário as comemorações do Dia das Mães e dos Pais, nesse caso recomenda-se que as festividades respeitem a diversidade familiar dos seus alunos, convidando para estar presente nesse momento não exclusivamente a mulher, a mãe, mas a pessoa que exerce a função materna, a avó, a irmã, o pai... Que não se faça distinção entre mães biológicas e por adoção, enaltecendo a maternidade biológica em detrimento da maternidade adotiva. 
É preciso desmistificar essa ideia biologizante de maternidade, de paternidade e de filiação, ou seja, de que para ser mãe é preciso gerar, gestar, dar à luz e de que para ser filho é preciso ter nascido da sua mãe. Ora, gestar é diferente de maternar, quem gera é genitora que poderá aprender a ser mãe, a se vincular, a amar o seu filho ou não. As mulheres não nascem mães, não lhes é inato, elas aprendem a ser mães. 



Veja também: Entrevista com a Professora Gilmara Lupion 


Para além das homenagens, das comemorações, o Dia das Mães é também utilizado como uma data para estimular o consumo. Sendo assim, especialmente na escola, devemos nos ocupar de duas questões: a primeira de que não temos o direito de expor as crianças a situações que as discriminam, que lhes façam sentir inferiorizadas perante os colegas de sala, porque não podem contar com a presença da sua genitora, por ocasião das comemorações do Dia das Mães na escola; a segunda de que não podemos restringir a homenagem às mães à compra de presentes, estimulando o consumismo entre as crianças. Um desenho, um bilhete, uma pintura, uma música, um gesto... são expressões verdadeiras de consideração, de respeito às mães de nascimento ou não, às pessoas queridas que cuidam, que acolhem, que educam a criança. 


Por fim, é preciso considerarmos o melhor interesse da criança, trabalharmos sempre para que nenhuma criança se sinta triste, inferiorizada, constrangida... porque não tem a figura da mãe ou do pai para participar das festividades na escola. Ou seja, que as festividades do Dia das Mães e dos Pais na escola não tenham como objetivo apenas agradar os adultos, mas sim respeitar o direito das crianças de ter uma família independente da sua constituição familiar. 

Gilmara Lupion Moreno, docente do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e membro do Grupo de Apoio à Adoção Trilhas do Afeto, de Londrina 
Mãe é Quem Cuida, Quem Materna- Por Gilmara Lupion Mãe é Quem Cuida, Quem Materna- Por Gilmara Lupion Reviewed by Unknown on maio 12, 2018 Rating: 5
comentários via Facebook